Os principais suspeitos do crime são os próprios guardas florestais do parque, que deveriam zelar pela preservação. | Foto: Wwarby/Flickr

Os principais suspeitos do crime são os próprios guardas florestais do parque, que deveriam zelar pela preservação. | Foto: Wwarby/Flickr

Redação Ciclovivo

A população de rinocerontes de Moçambique está oficialmente extinta. Os últimos 15 exemplares da espécie foram encontrados mortos no último mês. As autoridades locais investigam o caso, mas já se sabe que os animais foram mortos por caçadores.

Os rinocerontes foram encontrados no Grande Parque Transfronteiriço de Limpopo, uma reserva selvagem localizada na fronteira sul de Moçambique. Os principais suspeitos do crime são os próprios guardas florestais do parque, que deveriam zelar pela preservação.

De acordo com a imprensa internacional, 30 guardas foram presos e estão sob investigação para que sejam levados aos tribunais. Eles são acusados de matar rinocerontes para comercializar o chifre dos animais.

Não é só em Moçambique que a caça aos rinocerontes tem sido comum. Na África do Sul, a ameaça tem sido constante. Somente neste ano, já foram registradas 180 mortes de rinoceronte no país e agora existem apenas 249 indivíduos da espécie em território sul-africano.

Os chifres de rinoceronte geram grande interesse no mercado ilegal, principalmente destinado a Ásia. De acordo com o site norte-americano TreeHugger, os chifres são mais caros que ouro no continente asiático, em consequência de suas supostas propriedades afrodisíacas.