Em operação, o parque eólico vai mitigar a emissão de 925 mil toneladas de CO2.  Foto :Divulgação

Em operação, o parque eólico vai mitigar a emissão de 925 mil toneladas de CO2.
Foto :Divulgação

Redação Ciclovivo

O maior parque eólico do mundo construído em alto mar foi inaugurado no Reino Unido na última quinta-feira, pelo primeiro-ministro David Cameron. Localizado no Mar do Norte, o London Array tem capacidade para abastecer mais de quinhentas mil residências com a energia produzida por 175 turbinas aerogeradoras, que ocupam uma faixa de cem quilômetros quadrados ao longo da costa marítima.

Em operação, o parque eólico vai mitigar a emissão de 925 mil toneladas de gás carbônico, diminuindo a colaboração dos britânicos para o aquecimento global. As turbinas aerogeradoras conseguem produzir 630 megawatts e foram construídas por empresas da Alemanha e dos Emirados Árabes. Com a estratégia, o Reino Unido vai ficar mais independente das usinas de carvão mineral, fonte de geração de energia altamente poluente e não renovável.

Cameron acredita que, além de mitigar as emissões de carbono, o London Array traz vários benefícios tecnológicos e socioeconômicos para os britânicos, mas ainda é necessário concentrar esforços na geração eólica. “O Reino Unido tem uma das melhores fontes de energia renovável da Europa, mas os ministros não estão fazendo o suficiente para desenvolver esse enorme potencial e criar milhares de novos empregos”, polemizou Cameron ao jornal The Guardian.

Atualmente, o Reino Unido é um dos líderes na geração de eletricidade com a força dos ventos, produzindo 3% da energia eólica do mundo. Em 2012, o Conselho Global de Energia Eólica elaborou um relatório que comprova o bom desempenho dos britânicos na geração da fonte alternativa: segundo os dados apurados, o Reino Unido instalou mais de 1,9 mil megawatts, respondendo por 4,2% do crescimento mundial do setor.

Hoje, o país conta com 3,6 gigawatts de capacidade instalada em alto mar, mas a meta é vencer a crise financeira e superar os 18 gigawatts até 2020.