telhado verde

Proposta está em tramitação na AL e vai estimular o cultivo de jardins implantados em telhados ou terraços

Itimara Figueiredo/ALMT

O Programa Estadual de Fomento a Adoção de Telhados Verdes deverá ser instituído em Mato Grosso. Os telhados verdes são jardins implantados em telhados ou terraços das edificações nos espaços urbanos, adaptados à realidade biotecnológica. Objetivo é estimular a população a implantar um novo conceito de conforto e equilíbrio com o meio ambiente.

A proposta, em tramitação na Assembleia Legislativa, é de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Romoaldo Júnior (PMDB). Dentre as inúmeras vantagens está a conscientizar a população sobre a sua utilização, incentivar o uso nas obras públicas estaduais, minimizar as chamadas ilhas de calor e poluição atmosférica e criar novos corredores verdes.

Proposta de autoria do deputado Romoaldo Junior tramita na Assembleia Legislativa para incentivo da implantação de telhados verdes em MT.

Proposta de autoria do deputado Romoaldo Junior tramita na Assembleia Legislativa para incentivo da implantação de telhados verdes em MT.

Além disso, o telhado ecológico contribui à redução do consumo de energia elétrica e funciona como isolante térmico. “São muitos os benefícios que o telhado verde promove em respeito ao desenvolvimento sustentável”, garante Romoaldo.

Se aprovado, o programa vai determinar ao poder público o estabelecimento da política habitacional e critérios para o uso nas edificações. Romoaldo alerta que o grande fluxo de construção nas cidades provoca alto impacto ambiental, inclusive, aumento na emissão de carbono em detrimento ao elevado consumo de energia, poluição do ar atmosférico, aumento do efeito ilha de calor urbano e redução do espaço verde que prejudica a fauna e a flora.

“Novos problemas requerem novas ideias para compensar e reduzir o impacto ambiental, assegurando a continuidade da biodiversidade bem como aumento da qualidade de vida nos centros urbanos”, defende o parlamentar.
Chama a atenção de que essa técnica é bastante utilizada em países europeus como Alemanha e Suíça, traz uma série de benefícios para o equilíbrio ambiental, como o cultivo de novas áreas verdes, balanceando os espaços entre construções em concreto e vegetação.

Ecológico – Diferente dos telhados tradicionais, o telhado verde é uma alternativa viável e sustentável porque proporciona um ambiente mais fresco, mantendo o edifício protegido de temperaturas extremas, especialmente no verão, reduzindo em até 13°C. Também é possível conciliar com a aplicação de paineis solares que reduzem o consumo de energia elétrica.

Estudos comprovam que com o uso de coberturas vivas, seja possível melhorar em 30% as condições térmicas no interior da edificação, sem recorrer a sistemas de climatização ou ar-condicionado. É também um excelente atrativo para pontos comerciais, tornando-os mais visíveis.

Incentivo – Na proposta, Romoaldo destaca que a técnica do telhado verde em Nova York, por exemplo, somente em 2008, ano de regulamentação da lei, foram solicitadas licenças para forrar 87.700m². Isso equivale a mais de 11 vezes a medida do Estádio do Morumbi, em São Paulo. Lá, os solicitantes são favorecidos com descontos no imposto predial. Algo semelhante ocorre em Vancouver, no Canadá.

Segundo empresas especializadas, o custo de implantação do telhado verde varia de R$ 65 a R$ 110 por metro quadrado, incluindo a mão-de-obra e o material. Um telhado convencional de telha de barro ou de fibrocimento custa em torno de R$ 30,00 a R$ 100,00 m².

“Trata-se de uma alternativa viável. Esse projeto vai beneficiar a qualidade de vida dos cidadãos do nosso estado. A iniciativa dos telhados verdes deve partir do Estado como um todo, dando exemplo para construções particulares, que deverão se adaptar também a este projeto”, concluiu o deputado.

telhado verde