PLANETA SUSTENTÁVEL

O projeto incentiva estabelecimentos comerciais, empresas e consumidores a juntar os resíduos. Foto: Cat Sidh/Creative Commons

O projeto incentiva estabelecimentos comerciais, empresas e consumidores a juntar os resíduos. Foto: Cat Sidh/Creative Commons

Elas são uma praga em todo o lugar… É muito fácil encontrar bitucas de cigarro no chão enquanto andamos por aí, em jardins, parques, praças e até mesmo no meio-fio da calçada. Mas seus dias de emporcalhar as cidades podem estar contados. O húngaro Tom Szaky, fundador da empresa TerraCycle, desenvolveu um programa de reciclagem de bitucas: o Cigarette Waste Brigade* (Brigada de Resíduos de Cigarro, em português).

O projeto incentiva estabelecimentos comerciais, empresas e consumidores a juntar os resíduos de cigarros e enviá-los, gratuitamente e de forma responsável, pelo correio para que sejam esterilizados, dissecados e transformados em plástico. O material, então, é usado pela empresa para a produção de objetos como cinzeiros e latas de lixo, que são comercializados no site da companhia. Que tal?

A iniciativa já existe, de forma bem-sucedida, no Canadá, Estados Unidos e Espanha e, em 2013, Szaky pretende expandi-la para França, Alemanha, Suíça, Áustria, Noruega, Dinamarca, Suécia, Finlândia e, talvez, México. Para o Brasil, ele tem outros planos: a reciclagem de gomas de mascar, mas nada impede que a Brigada de Resíduos de Cigarro também venha para cá. Escritório em terra verde e amarela ele já tem. (Saiba mais em: TerraCycle quer transformar lixo em commodity).

No nosso país, aliás, Szaky vai encontrar outras referências. É que um grupo de estudantes de Administração da Escola Técnica Estadual de Heliópolis, na zona sul de São Paulo, descobriu uma outra utilidade para o lixo dos fumantes: fazer papel. Você se lembra do projeto Sementuca?

 

About The Author

Thiago Itacaramby é jornalista diplomado e especialista em Marketing. Possui experiências profissionais nos setores público e privado. Atua em órgãos não governamentais ligados ao meio ambiente e possui conhecimentos na elaboração de projetos. Estudante de Gestão Ambiental no Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT).