madeira ilegal de terras indigenas

Mandados de prisão devem ser cumpridos em Mato Grosso e Rondônia. Quadrilha é acusada de extrair madeira ilegalmente de área em Aripuanã (MT).

Por Pollyana Araújo/G1-MT

Nove suspeitos de exploração ilegal de madeira na região de Aripuanã, a 976 km de Cuiabá, são alvos da Operação ‘Kalupsis’, deflagrada nesta quarta-feira (7) pela Polícia Federal. Segundo a PF, sete mandados de prisão deverão ser cumpridos em Mato Grosso e dois em Rondônia. Também devem ser cumpridos 67 mandados de busca e apreensão e 28 de condução coercitiva, quando a testemunha é levada até a Delegacia da PF para prestar esclarecimentos sobre o crime, nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

As prisões foram determinadas pela Justiça Federal de Juína. De acordo com a polícia, no mesmo instante em que os mandados são cumpridos em algumas madeireiras, fiscais do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e de Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fazem vistorias.

As investigações começaram em fevereiro do ano passado e durante os trabalhos foi identificada a extração ilegal de madeira em uma terra indígena localizada em Aripuanã. O crime estaria sendo acobertado pela transferência de créditos florestais fictícios e fraudulentos. A apuração foi feita pela Delegacia de Repressão aos Crimes Contra o Meio-Ambiente e teve a ajuda do Ibama.

De acordo com a PF, os acusados devem responder pelos crimes de exploração econômica de floresta nativa em terra de domínio da União; furto de essências florestais; inserção de informações falsas em base de dados oficial, além de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal.

O nome da operação vem do grego e significa acobertar, encobrir, obscurecer. ‘Kalupsis’ pode ser usada no sentido de simulação e fraude.