cacau

Iniciativa faz parte das atividades de capacitação e inovação do projeto Cacau Mais Sustentável.

Por TNC

A The Nature Conservancy (TNC) promoveu, nos dias 09 e 10 de janeiro, a oficina de trabalho “Agregando Valores Ambientais e Econômicos à Lavoura Cacaueira de São Félix do Xingu e Região”, na Secretaria de Meio Ambiente e Saneamento de São Félix do Xingu, município localizado no sul do Pará. O evento faz parte das atividades que compõe o projeto Cacau Mais Sustentável, realizado pela TNC em conjunto com a empresa norte-americana de grãos Cargill, o Ministério da Agricultura (por meio da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira – CEPLAC) e a Cooperativa Alternativa de Pequenos Produtores Rurais e Urbanos de São Félix do Xingu (CAPPRU).

Com o objetivo de encontrar soluções ambientalmente interessantes para a crescente economia cacaueira de São Félix do Xingu, os participantes discutiram mecanismos mais efetivos de aumento da produção, por meio dos Sistemas Agroflorestais (SAFs). Utilizando os SAFs, é possível realizar o plantio do fruto aliado ao de espécies nativas florestais com alto valor econômico, como o mogno, gerando renda e sombreamento definitivo para o cacau, que necessita de sombra controlada para seu crescimento. Além disso, o plantio consorciado garante também o aumento da biodiversidade local e a restauração florestal dentro das propriedades participantes, contribuindo com as melhorias climáticas previstas pelo projeto.

No evento, também foram discutidas as experiências de outras regiões produtoras do fruto, como a Bahia e o Equador, com intenso debate realizado por professores, técnicos e especialistas nas áreas de restauração florestal e biodiversidade. “É a primeira vez que a produção do cacau está associada à restauração florestal, e não ao desmatamento para abertura de áreas de plantio”, explica Rodrigo Mauro Freire, coordenador da estratégia de Floresta e Clima da TNC. Segundo Rodrigo, este diferencial da região abre a oportunidade de inserir no mercado um produto que traz em si um cuidado maior com a natureza, incentivando o consumo responsável.

Todas as ações da oficina foram realizadas em conjunto com a Secretaria Municipal de Agricultura de São Félix do Xingu, a Associação para o Desenvolvimento da Agricultura Familiar do Alto Xingu – ADAFAX, o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola – Imaflora, o Instituto Internacional de Educação do Brasil – IEB, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural – EMATER, a Escola Superior de Agricultura da USP – ESALQ e representantes locais da agricultura familiar. A etapa seguinte consiste na formulação de estudos científicos para guiar os produtores rurais acerca das espécies florestais mais adequadas ao bioma, consolidando o conhecimento técnico e visando a adequação ambiental e a melhoria produtiva e econômica das famílias do projeto.