Exemplar de axolote é visto na mão de pesquisador. Espécie de salamandra corre o risco de desaparecer na natureza (Foto: Dario Lopez-Mills/AP)

Exemplar de axolote é visto na mão de pesquisador. Espécie de salamandra corre o risco de desaparecer na natureza (Foto: Dario Lopez-Mills/AP)

Em janeiro, pesquisadores anunciaram possível extinção do axolote.
Dois exemplares da salamandra foram vistos em lago, atingido por poluição.

Do G1/Natureza

Após anunciarem que o axolote (Ambystoma mexicanum), um tipo de salamandra que só vive em lagos do México, podia ter desaparecido da natureza, cientistas anunciaram ter encontrado exemplares desta espécie durante uma segunda varredura realizada este mês.

No ano passado, biólogos tentaram capturar axolotes com a ajuda de redes no lago Xochimilco, na Cidade do México, mas não encontraram nenhum espécime – o que aumentou a preocupação sobre o risco de que esses animais só sobreviveriam se fossem criados em cativeiro.

Contudo, o biólogo Armando Tovar Garza, da Universidade Nacional Autônoma do México, disse que na última semana ele e sua equipe encontraram duas salamandras durante sua investigação, que deve seguir até meados de abril.

“Não pudemos capturá-los, mas dois avistamentos representam que ainda temos chance”, disse Garza, referindo-se à conservação desses animais.

Importante para a ciência

Conhecido como “monstro aquático” e como o “peixe mexicano que anda”, seu único habitat natural é a rede de lagos e canais Xochimilco, que sofre com a poluição trazida pelo crescimento urbano. Nos últimos anos, os arredores dos lagos onde o bicho vive passaram a abrigar favelas que lançam esgoto nas águas.

A Academia Mexicana de Ciências informou que 1998 havia em média 6 mil axolotes por quilômetro quadrado, número que caiu para 1 mil em 2003 e para 100 em 2008.

A criatura é importante para o mundo científico devido à sua capacidade de regenerar membros amputados. Alguns exemplares vivem em aquários instalados em laboratórios, mas os especialistas advertem que essas não são as melhores condições, pois correm risco de acasalamento entre parentes e, com isso, perder a diversidade genética da espécie.

Os axolotes crescem até 30 centímetros e usam as quatro patas atarracadas para se arrastar no fundo dos lagos ou as caudas grossas para nadar. Esses animais se alimentam de insetos aquáticos, peixes pequenos e crustáceos.

Foto de 2008 mostra o axolote, salamandra conhecida como "monstro aquático" que corre risco de extinção (Foto: AP Photo/Dario Lopez-Mills, File)

Foto de 2008 mostra o axolote, salamandra conhecida como “monstro aquático” que corre risco de extinção (Foto: AP Photo/Dario Lopez-Mills, File)