Imagem feita pela agência espacial americana, Nasa, do Lago Atitlán, na Guatemala (Foto: Nasa)

Imagem feita pela agência espacial americana, Nasa, do Lago Atitlán, na Guatemala (Foto: Nasa)

Animais foram extintos pela introdução de peixes exóticos e sobrepesca. Cientistas denunciam ainda que a poluição do lençol freático é outra causa.

Do G1-Natureza

Um estudo da Universidade pública de San Carlos de Guatemala (USAC) revelou que no Lago Atitlán, no oeste do país, foram extintas 13 das 20 espécies de peixes registradas entre 1967 e 2008.

A pesquisa explica que a introdução de peixes carnívoros, a poluição do lençol freático e a sobrepesca afetaram o ecossistema e as espécies nativas do local nos últimos 45 anos.

Segundo Cristian Barrientos, um dos cientistas responsáveis pela investigação, a pesca é um fator importante para a sobrevivência dos povos indígenas que vivem nas margens do lago, localizado a 160 km da Cidade da Guatemala.

Ele explica que as espécies que são predominantes neste lago são o achigã, tilápias, carpas, entre outros. Para o ex-diretor da Autoridade para o Manejo Sustentável do Lago Atitlán, Marvin Romero, as autoridades nunca deveriam ter autorizado a introdução do  achigã e da carpa, pois isso causou um desequilíbrio no ecossistema do lago, provocando o desaparecimento das espécies nativas.

Romero disse ainda que esta espécie é considerada carnívora e é a principal responsável pela extinção de peixes pequenos. Já a carpa é responsável por estimular o florescimento de cianobactérias que afetam a oxigenação das espécies nativas do lago.

 

About The Author

Noticiar o pensamento ecológico! Trazendo até vocês notícias e ideias que fazem a diferença para o meio ambiente e para a humanidade.