Por: Ciclo Vivo

Os eventos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na praia de Copacabana, Rio de Janeiro, contarão com 12 pontos de recarga de bateria de celular através de energia solar.

Estima-se que sejam geradas três milhões de toneladas de lixo durante o evento. Por isso, além da instalação dos painéis fotovoltaicos, haverá voluntários, que ficarão responsáveis pela coleta e separação de lixo. Também serão distribuídos ao público dois milhões de sacolas biodegradáveis.

A ação é realizada pelo Ministério do Meio Ambiente, em parceria com o Fórum das Américas, a Fundação João Paulo II e o Pontifício Conselho para os Leigos. Outras ações ambientais têm norteado o evento, como é o caso do lançamento do Guia Ecológico da JMJ.

Elaborado pelo padre Josafá Siqueira, reitor da PUC-Rio, e pelo diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente da PUC (NIMA), Luiz Felipe Guanaes, o guia foi inspirado em diversos documentos da Igreja sobre o meio ambiente. Em contrapartida, a paróquia de São Sebastião de Itaipu, no Rio de Janeiro, derrubou 334 árvores para “limpar” uma área onde será realizada uma missa da JMJ.

A ação, que foi realizada sem o consentimento das autoridades, teve repercussão negativa e rendeu uma multa de R$ 10 mil. A JMJ acontece no Rio de Janeiro, entre os dias 23 a 28 de julho. A abertura do evento será realizada em Copacabana nesta terça-feira (23). Com informações do Terra.

About The Author

Thiago Itacaramby é jornalista diplomado e especialista em Marketing. Possui experiências profissionais nos setores público e privado. Atua em órgãos não governamentais ligados ao meio ambiente e possui conhecimentos na elaboração de projetos. Estudante de Gestão Ambiental no Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT).