Residência no interior de SP vai ter 180 painéis solares e produzir cerca de 3.300 kWh por mês.

Residência no interior de SP vai ter 180 painéis solares e produzir cerca de 3.300 kWh por mês.

Por Raquel Grisotto/Época Negócios

No mundo todo, expansão foi de 16%, chegando a US$ 310 bilhões. Projetos para geração de energia solar puxaram investimentos

Nem mesmo a queda do barril do petróleo, verificada nos últimos meses, seguraram os investimentos para geração de energia limpa no ano passado que cresceram 16% em relação a 2013, somando US$ 310 bilhões no todo o mundo. O total ainda é menor que o registrado em 2011, de US$ 318 bilhões, mas é a primeira vez em três anos que o setor volta a crescer. Os dados são de relatório anual da Bloomberg New Energy Finance divulgado hoje.

A China puxou a expansão, com investimentos de US$ 89,5 bilhões, 32% mais do que o país havia investido em 2013. Mas foi o Brasil que registrou uma das maiores variações, de 88%, chegando a US$ 7,9 bilhões. Em parte, isso pode ser explicado pelos baixos investimentos de 2013 nesse tipo de energia no Brasil, mas há também uma tendência de que os recursos em fontes de energia limpa voltem a ganhar corpo. Em novembro, o Brasil realizou seu primeiro leilão de energia solar, comprando 890 MW para serem entregues nos próximos anos. A iniciativa pode dar segurança para que novos projetos e investimentos surjam.

De acordo com o relatório da Bloomberg New Energy Finance, globalmente, os grandes projetos para geração de energia solar foram o grande destaque de 2014, com um incremento de 25% em relação a 2013. Somente no desenvolvimento de plantas, equipamentos e desenvolvimento de novas tecnologias foram gastos US$ 150 bilhões – é o maior investimento já registrado para a categoria.