Apreensão de pescado ilegal capturado dos rios de MT dentro do período de defeso (a Piracema).

Apreensão de pescado ilegal capturado dos rios de MT dentro do período de defeso (a Piracema).

Por Maria Barbant/Ascom-SEMA

Fiscais da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) apreenderam 234 unidades de piraputanga, o equivalente a 126 quilos, 76,6 quilos de filé e carcaças de pintado e cachara, 91,4 quilos de pintado (quatro unidades) e três freezers. A apreensão foi realizada em um restaurante da capital, durante operação de rotina no último fim de semana. O pescado será doado ao Hospital do Câncer, Casa da Mãe Joana e Lar dos Idosos.

Segundo o coordenador de Fiscalização de Pesca, Julio Reinner, o pescado foi apreendido por irregularidades na Declaração de Estoque. “A peixaria informou na Declaração de Estoque possuir 41 quilos de pintado e, na fiscalização, foram encontrados 90 quilos”. A fiscalização em estabelecimentos comerciais, peixarias e similares é uma das operações de rotina que a Sema realiza em todo o Estado. Nos últimos dias foi realizada operação semelhante em Sorriso.

“Hoje as fiscalizações estão acontecendo nos municípios de Colniza e Sinop, além da Baixada Cuiabana”, diz Reinner.

No domingo (12.01), foram apreenderam redes em São Gonçalo Beira Rio, nas localidades de Barranquinha e Praeirinho.

FISCALIZAÇÃO

A Superintendência de Fiscalização da Sema atua no período proibitivo com sete equipes que se revezam viajando por todo o Estado. Além disso, as operações contam com o apoio e as ações realizadas pelas equipes das Unidades Descentralizadas do órgão nos municípios de Cáceres, Barra do Garças, Juína, Rondonópolis, Sinop, Tangará da Serra, Alta Floresta, Guarantã do Norte, Aripuanã, Vila Rica e Juara. Na sede do órgão, em Cuiabá, outra equipe atende as denuncias e as operações na Baixada Cuiabana.

DOAÇÃO

O coordenador de Fiscalização de Pesca, Julio Reinner lembra que as doações realizadas pela Sema atendem a entidades filantrópicas, selecionadas criteriosamente. “As entidades beneficiadas são reconhecidamente filantrópicas, legalizadas, possuem CNPJ e obedecem a vários critérios”. O pescado irregular doado pela Sema a essas entidades são oriundos de infrações ambientais ou quando é abandonado pelo infrator na beira do rio, por exemplo.