Nos testes, a bactéria digeriu o plástico PET em seis semanas a uma temperatura de 30º C. [Imagem: Shosuke Yoshida et al. - 10.1126/science.aad6359]

Nos testes, a bactéria digeriu o plástico PET em seis semanas a uma temperatura de 30º C. [Imagem: Shosuke Yoshida et al. – 10.1126/science.aad6359]

Redação Inovação Tecnológica

Bactéria que digere PET

Pesquisadores japoneses descobriram uma bactéria, batizada de Ideonella sakaiensis, que é capaz de “comer” o plástico PET.

Embora se trate de um material facilmente reciclável, muito pouco do PET (polietileno tereftalato) produzido no mundo é de fato reaproveitado. Ele é largamente utilizado na fabricação de embalagens descartáveis, principalmente bebidas.

Os pesquisadores vêm adotando duas estratégias para lidar com o acúmulo de plásticos no meio ambiente.

Uma linha de pesquisa popular envolve a busca por plásticos biodegradáveis, que se decomponham ao longo do tempo. Mas esses materiais costumam ser mais caros e difíceis de produzir do que os plásticos comuns.

Shosuke Yoshida e seus colegas do Instituto de Tecnologia de Quioto adotaram a segunda rota: a partir de um plástico barato e popular – o PET – foram procurar na natureza um organismo vivo capaz de decompô-lo.

Produção de matérias-primas

“Ao fazer a triagem de comunidades microbiais naturais expostas ao PET no meio ambiente, isolamos uma nova bactéria. Essa cepa produz duas enzimas capazes de hidrolisar o PET,” relata a equipe.

Essas enzimas, juntas, convertem o PET em ácido tereftálico e etileno glicol.

Em um comentário sobre a descoberta, publicado pela revista Science, o pesquisador alemão Uwe Bornscheuer afirma que a bactéria poderá se mostrar útil para retirar o plástico do ambiente.

“Se o ácido tereftálico puder ser isolado e reutilizado, isso poderia gerar enormes economias na produção de novos polímeros, sem a necessidade de matérias-primas baseadas em petróleo,” disse Bornscheuer.