THIAGO ITACARAMBY/ECOPENSAR

O valor das despesas per capita é de R$ 31,36 R$/habitante.

O valor das despesas per capita é de R$ 31,36 R$/habitante. Foto: Reprodução

Cuiabá destaca-se entre as capitais no que diz respeito aos baixos investimentos na gestão de resíduos sólidos. Segundo dados do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos (SNIS), sob a responsabilidade da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental (SNSA) do Ministério das Cidades, o valor das despesas per capita é de R$ 31,36 R$/habitante. Isso reflete em problemas socioambientais, como a dengue e os 0% de massa per capita recolhida via coleta seletiva.

Segundo a coordenadora de Gestão de Resíduos Sólidos da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), Solange Cruz, os principais gargalos de Cuiabá são o saneamento básico, a coleta de lixo e o tratamento da água. “A coleta não é perfeita, pois não abrange todo o município. Já o tratamento de esgoto está condizente e indo para o rio. A dengue está associada aos resíduos sólidos, gerando um problema de saúde pública”, alertou.

Capitais como Rio Branco, São Paulo e Curitiba representam R$ 86,89; R$ 65,74; R$ 87,91, em relação às despesas gastas com o gerenciamento dos resíduos sólidos. Em todas elas existem sistemas municipais de coleta seletiva, com destaque para Curitiba, onde o sistema foi implantado na década de 90 e atinge boa parte da população.

O Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS) foi concebido pelo Programa de Modernização do Setor Saneamento (PMSS), e vem sendo administrado pela Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades. O SNIS apóia-se em um banco de dados administrado pela SNSA, que contém informações de caráter operacional, gerencial, financeiro e de qualidade, sobre a prestação de serviços de água e de esgotos e sobre os serviços de manejo de resíduos sólidos urbanos.

About The Author

Thiago Itacaramby é jornalista diplomado e especialista em Marketing. Possui experiências profissionais nos setores público e privado. Atua em órgãos não governamentais ligados ao meio ambiente e possui conhecimentos na elaboração de projetos. Estudante de Gestão Ambiental no Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT).

Related Posts