Chip Yates e seu avião elétrico. Foto: LongEZ

Chip Yates e seu avião elétrico. Foto: LongEZ

Por Daniel Couto Valle/Ecopensar

Chip Yates, piloto que já possui um título no Guinness book de recordes mundiais “Mais rápida motocicleta elétrica do mundo” e quebrou um recorde de velocidade em um avião elétrico, que ele projetou (bem, baseado em um projeto Burt Rutan), agora quer ser o Charles Lindbergh  deste século, ou seja, o primeiro a cruzar o Atlântico em um avião elétrico – sem parar, e pelo menos tão rápido quanto o histórico voo de Lindbergh. Isto é ainda mais impressionante, considerando que ele só conseguiu sua licença de piloto em 12 julho de 2012, poucos dias antes que ele quebrou o recorde de velocidade.

Lindbergh foi o primeiro a voar sozinho sobre o mar Atlântico em 1927. Embora a aviação elétrica está em sua infância, e seu voo mais longo até agora é menos de 1.600 quilômetros. Yates planeja voar 5.632 quilômetros, e fazê-lo pelo menos tão rápido quanto Lindbergh fez.

Para cumprir a meta ambiciosa, Yates deve superar a grande desvantagem dos veículos elétricos – seu alcance limitado. A solução é a utilização de veículos aéreos não tripulados que irão fornecer eletricidade adicional durante o voo. Essa é outra maneira de dizer que ele vai usar baterias autônomos que irá encontrá-lo em voo, transferir energia para o avião e voltar em segurança para um aeroporto.

electric-plane-Long_ESA

Isso é muito além de qualquer coisa que tenha sido realizado na aviação elétrica. A aviação elétrica tornou-se algo para amadores felizes por voar lentamente e silenciosamente em pequenas distancias. Existem idéias para aumentar as distancias percorridas, mas ninguém ainda propôs algo que se aproxime ao que Yates está propondo. Sua ideia faz o voo transcontinental do Solar Impulse com energia solar parece sensato.

Mas ele vai precisar fazer algo radical, se realmente quer corresponder à velocidade de Lindbergh (um pouco acima de 160 km em média). Um enorme planador solar seria lento demais para alcançar esse objetivo, então ele precisa de um avião mais rápido. Portanto ser mais rápido significa que é necessário mais poder, e ele não pode levar todas as baterias que pesariam demais o avião. Muito pelo desafio de engenharia! Informações: Treehugger

Veja o vídeo: