Cientistas identificaram gênero do animal, mas não sua espécie

Cientistas identificaram gênero do animal, mas não sua espécie

Uma equipe de biólogos marinhos registrou imagens de uma misteriosa água viva durante uma expedição na região oceânica mais profunda da Terra.

Da BBC

Com 2,55 mil quilômetros de extensão, a Fossa das Marianas, localizada ao sul do Japão, marca a fronteira entre duas placas tectônicas. Tem apenas 69 quilômetros de largura, mas chega a uma profundidade de até 11 mil metros.

O time da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), uma agência do governo americano, registrou a água-viva enquanto ela flutuava a 3,7 mil metros abaixo da superfície do Pacífico.

Ela tem um formato esférico e dois tipos de tentáculo. Os cientistas só conseguiram identificar que ela pertece ao gênero crossota, mas não sua espécie exata.

Acredita-se que as linhas vermelhas em seu corpo sejam seus canais radiais, que fazem parte do sistema digestivo do animal. Os círculos ovais amarelos seriam gônodas, responsáveis por armazenar gametas para sua reprodução.

Expedição

Fossa das Marianas é a região oceânica mais profunda da Terra

Fossa das Marianas é a região oceânica mais profunda da Terra

Desde 20 de abril, pesquisadores da agência americana estão à bordo do navio Okeanos Explorer para investigar a uma área de proteção natural localizada nessa região do Pacífico.

Até o momento, já foram feitos cinco mergulhos de exploração, em que também foram registrados outros animais que vivem nas profundezas do oceano e coletadas amostras do leito do mar.

Dividida em três etapas, em que serão exploradas diferentes regiões das fossas, a missão faz parte de uma empreitada maior, com três anos de duração, para conhecer melhor regiões do Pacífico. A expedição será encerrada em 10 de julho.

Água-viva estava a 3,7 mil metros de profundidade

Água-viva estava a 3,7 mil metros de profundidade