Em sete dias, os microorganismos transformam em ouro uma substância tóxica. - Foto: Divulgação

Em sete dias, os microorganismos transformam em ouro uma substância tóxica. – Foto: Divulgação

Redação Ciclovivo

Cientistas da Michigan State University descobriram uma nova bactéria que produz ouro. Nos testes de laboratório, uma colônia de micro-organismos Cupriavidus metalliduran conseguiu produzir 24 quilates do metal. Ao contrário da maioria das bactérias, esta espécie sobrevive mesmo exposta a altas concentrações de cloreto de ouro.

Para produzir o precioso metal, os pesquisadores Kazem Kashefi e Adam Brown alimentaram as bactérias com cloreto de ouro, substância altamente tóxica. No entanto, os micro-organismos se mostraram resistentes à propriedade, e, em sete dias, conseguiram transformar a substância no ouro. De acordo com os cientistas, que chamaram o processo de “alquimia bacteriana”, é bem provável que o elemento produza ouro na natureza de forma espontânea.

O método de extração do metal produzido pelas bactérias dispensa o garimpo, causando um menor impacto no meio ambiente. No entanto, como a técnica ainda tem altos custos para comercialização, os criadores do ouro orgânico montaram uma exposição de arte e ciência para apresentar o elemento valioso, chamada de The Great Work of The Metal Lover, montada em Linz, na Áustria, até o começo de outubro.

A instalação artística funciona como um laboratório, onde foi instalado um sistema vivo de bactérias, que reagem com a substância e produzem o metal precioso. O equipamento conta com uma estrutura banhada a ouro, um birreator de vidro e os microorganismos – que vão produzindo maiores quantidades do metal com o passar das semanas. A instalação criada pelos pesquisadores da Michigan State University foi premiada pelo concurso austríaco Prix Ars Electronica. Com informações do Ecouterre.

bacteria-ouro-1