O país afirmou que o plano é adicionar uma capacidade de cerca de 10 gigawatts anualmente.  Foto :Black Rock Solar/Flickr

O país afirmou que o plano é adicionar uma capacidade de cerca de 10 gigawatts anualmente.
Foto :Black Rock Solar/Flickr

Redação Ciclovivo

Segundo uma pesquisa da Agência Internacional de Energia (AIE), a produção de energia alternativa colocará o país à frente de Estados Unidos, Índia e Alemanha. Parece difícil acreditar que a China desbancará o país alemão, conhecido por bater recordes em produção sustentável, tendo abastecido com energia solar oito milhões de casas no ano passado. Entretanto, nos próximos dois anos a meta chinesa é quadruplicar sua capacidade solar para 35 gigawatts (GW).

Em comunicado, o país afirmou que o plano é adicionar uma capacidade de cerca de 10 gigawatts anualmente, de 2013 a 2015. Anteriormente, o objetivo era de 21 GW até 2015. A meta foi estabelecida pela State Grid, instituição que gerencia a distribuição de energia elétrica no país, e tem o apoio do Conselho de Estado, principal órgão do governo.

Nos últimos seis meses, a China instalou 40 novos parques solares, que somam ao todo 3 GW, o número já supera a Alemanha em grandes instalações fotovoltaicas.

Além do meio ambiente, o aumento da geração de energia solar beneficiará os produtores de painéis domésticos e os fabricantes de todo o mundo. O plano do governo já fez com aumentasse as ações das empresas chinesas do setor.

Há especialistas descrentes que afirmam que é preciso investir no financiamento para subsídios solares e infraestrutura para aproveitar esse tipo de energia. “Eu acho que a China pode aumentar a capacidade para 21 gigawatts, mas seria muito difícil chegar a 35”, afirmou Jason Cai, analista-chefe da consultoria Solarzoom, com sede em Xangai, à Reuters.