Os dois países querem limitar o HFC para assim reduzir a quantidade de CO2 equivalente liberada na atmosfera. - Foto: Justin Sloan/Flickr

Os dois países querem limitar o HFC para assim reduzir a quantidade de CO2 equivalente liberada na atmosfera. – Foto: Justin Sloan/Flickr

Redação Ciclovivo

Os presidentes dos Estados Unidos e da China firmaram um acordo que determina o esforço mútuo das duas nações em prol da contenção das emissões de gases de efeito estufa (GEE). O anúncio foi feito na última semana e ajuda a reduzir a fama de “malvados” que os dois países têm, em relação aos signatários do Protocolo de Kyoto.

O compromisso é algo importante, mas ainda não representa a isenção na grande parcela de culpa que as duas nações possuem sobre a poluição mundial. Conforme informado na declaração oficial, os esforços se concentram na redução das emissões de hidrofluorcarbonos (HFCs), não existe acordo direto para o dióxido de carbono (CO2).

A principal base para a decisão foi o Protocolo de Montreal, assinado em 1987, cujo intuito era controlar a fabricação e uso de produtos químicos sintéticos que pudessem prejudicar de alguma forma a camada de ozônio. De acordo com o comunicado, os dois países querem limitar o HFC para assim reduzir a quantidade de CO2 equivalente liberada na atmosfera.

Os presidentes Barack Obama e Xi Jinping estabeleceram o alvo de reduzir em 90 gigatoneladas a quantidade de CO2e liberada até 2050. O montante equivale às emissões globais de gases de efeito estufa durante o período de dois anos.

EUA e China unem conhecimento para criar novas tecnologias e estratégias de mitigação de poluentes e também podem contar com a colaboração de outros países. Após a determinação desta medida, as duas nações poderão acessar o Fundo Multilateral do Protocolo de Montreal, para ter assistência financeira.