Tecnologia idealizada por Gates pode combater produção de armas e desastres nucleares.  Foto: Suzie Katz/Flickr

Tecnologia idealizada por Gates pode combater produção de armas e desastres nucleares.
Foto: Suzie Katz/Flickr

Por Gabriel Felix/CicloVivo

Um dos nomes mais influentes do mundo em tecnologias e responsabilidade social, Bill Gates anunciou recentemente que pretende usar os resíduos das usinas nucleares para gerar eletricidade para todo o território norte-americano durante os próximos 800 anos.

O ambicioso projeto vai demandar investimentos da ordem de cinco bilhões de dólares e tem por objetivo aumentar a matriz de energias limpas nos EUA, além de combater a produção de armas nucleares no mundo todo.

Os trabalhos para desenvolver o projeto são coordenados por Gates e seu companheiro Nathan Myhrvold, por meio da startup TerraPower, localizada em Bellevue, nos EUA. No entanto, provavelmente, a primeira unidade experimental será construída na China. Ao aproveitar os resíduos das centrais nucleares, a iniciativa pode ajudar a reduzir danos ambientais e ainda inibir a produção de armas nucleares ao redor do mundo, já que o urânio enriquecido se origina do excedente da geração de energia nuclear.

O reator que aproveita os resíduos para a produção de energia também vai diminuir os riscos ambientais nas usinas: como, atualmente, o armazenamento do lixo nuclear não é 100% eficiente, os vazamentos podem causar sérios estragos na natureza e para a vida das pessoas. Além disso, os trabalhos com o reator de resíduos têm tudo para diminuir as mudanças climáticas e a pobreza no mundo.

Os esforços para o desenvolvimento da nova tecnologia seguem a todo vapor, mas a implantação definitiva deverá ocorrer a longo prazo: os mais otimistas estimam que o reator inicie suas atividades somente em 2030.