Avião foi projetado para dar a volta ao mundo em 2015. Foto: Reuters

Avião foi projetado para dar a volta ao mundo em 2015. Foto: Reuters

Um avião movido a energia solar, projetado para dar uma volta ao mundo em 2015, fez seu primeiro voo de teste na manhã desta segunda-feira, na Suíça.

Por Jonathan Amos/BBC News

O Solar Impulse 2 decolou de madrugada de uma pista em Payerne e retornou duas horas mais tarde. A aeronave é uma versão maior e melhorada de um outro avião, que cruzou os Estados Unidos no ano passado levando os aventureiros Bertrand Piccard e Andre Borschberg na cabine de comando.

O piloto de testes Markus Scherdel, que comandou a missão desta segunda-feira, voou a uma altitude de 1,8 mil metros, realizando uma série de manobras para testar a aeronave. Scherdel relatou vibrações durante a fase inicial do voo mas, de maneira geral, a missão parece ter tido resultados positivos.

“Os resultados iniciais parecem estar de acordo com os cálculos e simulações”, informou um comunicado divulgado posteriormente pela equipe.

Desafio

Nos próximos meses, a aeronave será submetida a mais voos para que receba as certificações necessárias. “Hoje é um grande dia para a equipe do Solar Impulse”, disse Piccard à BBC News.

“Um avião como esse é absolutamente único. E, pela primeira vez na história, temos um avião que voa sem combustível, dia e noite, mostrando o incrível potencial de tecnologias limpas, todas essas tecnologias que o mundo também pode usar de forma a reduzir a dependência em combustíveis fósseis (…) e resolver o problema da poluição”.

A aeronave é feita de fibra de carbono e tem envergadura de asa de 72 metros, maior que a de um Boeing 747. No entanto, o Solar Impulse 2 pesa apenas 2,3 toneladas.

A superfície das asas é coberta por 17 mil células solares, que alimentam quatro motores elétricos capazes de atingir velocidade de 140 km por hora. Durante o dia, as células solares recarregam baterias de lítio que, à noite, mantêm os motores em funcionamento.
O primeiro avião Solar Impulse estabeleceu vários recordes mundiais, incluindo o de voo mais longo de avião tripulado movido a energia solar – 26 horas.

Outros recordes foram o de primeiro voo intercontinental de avião movido a energia solar e maior distância coberta por voo pilotado de nave movida a energia solar (drones movidos a energia solar são capazes de ficar no ar durante semanas). Este último recorde foi estabelecido durante a épica jornada de Piccard e Borschberg cruzando os Estados Unidos em maio, junho e julho do ano passado.

Mas o grande feito da dupla torna-se minúsculo quando comparado à complexidade e dificuldade da volta ao mundo que a equipe do Solar Impulse 2 planeja fazer. Isso porque a jornada terá de incluir a passagem sobre os oceanos Atlântico e Pacífico. Para cruzar o Pacífico, por exemplo, o avião terá de voar durante cinco dias e cinco noites.

A cabine comporta apenas uma pessoa. Ela contém um assento reclinável para permitir que o piloto se exercite e tire sonecas curtas.