Tucano-de-bico-preto ('Ramphastos vitellinus') é um importante dispersor de sementes; ao lado, jacutinga ('Aburria jacutinga') é a maior ave das florestas de Mata Atlântica (Foto: Lindolfo Souto e Edson Endrigo)

Tucano-de-bico-preto (‘Ramphastos vitellinus’) é um importante dispersor de sementes; ao lado, jacutinga (‘Aburria jacutinga’) é a maior ave das florestas de Mata Atlântica (Foto: Lindolfo Souto e Edson Endrigo)

Redução de aves que espalham sementes gerou grãos menores de árvore. Trabalho foi liderado por equipe da Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Do G1/Natureza

O grande desaparecimento de aves frugívoras (que comem frutos) das florestas tropicais brasileiras, em decorrência da agricultura, tem causado um impacto sobre as árvores da região, que têm produzido sementes menores e mais fracas ao longo do último século. A conclusão é de uma equipe de pesquisadores brasileiros, mexicanos e espanhóis, cujo estudo será publicado na revista “Science” desta sexta-feira (31).

O trabalho foi liderado pelo especialista em ciências biológicas Mauro Galetti, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Rio Claro. Segundo ele, os resultados fornecem evidências de que a atividade humana pode desencadear mudanças evolucionárias rápidas nas populações naturais.

Os autores coletaram mais de 9 mil sementes de diferentes populações da palmeira Euterpe edulis – espécie nativa da Mata Atlântica, também chamada de içara ou palmito-juçara, e ameaçada de extinção – em áreas de floresta preservadas e outras devastadas por plantações de café e cana-de-açúcar no século 19.

Sementes de palmeiras são dispersadas principalmente por pássaros; ao lado, um sabiá-una ('Turdus flavipes') come fruto da árvore (Foto: Images courtesy of Lindolfo Souto and Mauro Galetti/Science)

Sementes de palmeiras são dispersadas principalmente por pássaros; ao lado, um sabiá-una (‘Turdus flavipes’) come fruto da árvore (Foto: Images courtesy of Lindolfo Souto and Mauro Galetti/Science)

A equipe usou dados estatísticos, genéticos e modelos evolucionários para chegar às conclusões. Segundo os cientistas, também foi considerada a influência de vários fatores ambientais, como clima, fertilidade do solo e cobertura florestal. Apesar disso, apenas a ausência das aves que comem frutos e espalham sementes já explicaria a diminuição do tamanho dos grãos das palmeiras.

De acordo com as análises genéticas, o encolhimento das sementes na região pode ter ocorrido dentro um século após algum tipo de perturbação local. Além desses fatores, longos períodos de seca e um clima cada vez mais quente na América do Sul podem ter prejudicado ainda mais essas populações de palmeiras, alertam os pesquisadores.

Ao lado da Unesp, participaram cientistas da Universidade Federal do Oeste do Pará, em Santarém, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFFRJ), da Universidade Federal de Goiás (UFG), da Universidade de São Paulo (USP) na capital paulista e em Piracicaba, da Rede de Biologia Evolutiva do México, em Veracruz, e da Estação Biológica de Doñana, em Sevilha, na Espanha.

Floresta de Mata Atlântica no Brasil (Foto: Image courtesy of Pedro Jordano/Science)

Floresta de Mata Atlântica no Brasil (Foto: Image courtesy of Pedro Jordano/Science)