As cores do cerrado

Exposição de fotografias organizada pelo MMA no Jardim Botânico de Brasília fica em cartaz até 13 de janeiro

LUCIENE DE ASSIS/MMA

Um chão forrado de folhas secas e o som de pássaros típicos da região compõem o cenário da exposição de belas paisagens do bioma Cerrado, eternizadas na coletânea de fotografias captadas pelos fotógrafos Paulo Araújo e Martim Garcia, da Assessoria de Comunicação Social do Ministério do Meio Ambiente (Ascom/MMA). As imagens ainda podem ser vistas nestes últimos dias da exposição, iniciada em setembro e aberta à visitação no Espaço Casa do Visitante, do Jardim Botânico de Brasília, até o dia 13 de janeiro de 2013.

O Cerrado brasileiro é a savana mais rica do planeta e os instantâneos retratam um bioma em transformação, revelando um pouco da sua fragilidade e da sua força. Trata-se de uma coletânea de imagens, reunidas ao acaso, despretensiosa, simples, básica, mas representativa. A mostra já foi vista por milhares de pessoas, que aproveitam o espaço do Jardim Botânico de Brasília também para fazer trilhas a pé ou de bicicleta, em cenário de rara beleza e encantamento.

SOB AMEAÇA

O objetivo principal da exposição é chamar a atenção da sociedade e dos habitantes da região para a necessidade de se preservar o ecossistema, um dos mais ameaçados pela ação do homem. Para o secretário de Biodiversidade e Florestas do MMA, Roberto Cavalcanti, “o que acontecer ao cerrado definirá os rumos do desenvolvimento sustentável no país, por sua grande importância tanto do ponto de vista biológico quanto econômico”.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Brasília, o Distrito Federal concentra os principais exemplares do bioma, pois grande parte da biodiversidade está nesta região. E o DF, segundo Roberto Cavalcanti, tem a maior proporção de cerrado em áreas de proteção, a exemplo do Jardim Botânico e do Parque Nacional de Brasília.

Serviço
Exposição de fotografias sobre o Cerrado
Local: Jardim Botânico de Brasília
Visitação: até 13 de janeiro de 2013. De terça-feira a domingo, das 6h às 9h da manhã, com entrada franca para práticas esportivas, mas não pode entrar com veículo. Das 9h até as 17h, cobra-se taxa de R$ 2 por pessoa, estando isentos os menores de 10 anos e os maiores de 60 anos de idade.
Recomendações: Não acender fogueira nem levar animais domésticos.

About The Author

Noticiar o pensamento ecológico! Trazendo até vocês notícias e ideias que fazem a diferença para o meio ambiente e para a humanidade.